quarta-feira, 11 de junho de 2008

MULTICULTURALISMO E RAÇAS

Globalização, multiculturalismo, pós-modernidade, questões de raça e gênero, manifestações culturais, movimentos religiosos, diversas formas de violência e a exclusão social são fenômenos de nosso tempo, que caracterizam a época em que vivemos.
O multiculturalismo, sendo um fenômeno de nosso tempo, traz para o campo da educação uma série de questionamentos e desafios, tais como o respeito à diferença, à diversidade cultural e ao redimensionamento das práticas educativas, a fim de se adequar às recentes demandas por uma escola mais democrática e inclusiva.
O multiculturalismo é uma realidade que suscita novas questões para a escola e que não pode ser ignorado ou minimizado. É a interação de culturas, que se fundem num sistema marcado pela efervescência das questões trazidas pela diferença. Diferença de gênero, de raça, de classe social, de orientação sexual, de identidades, de origens. Diferença que até bem pouco tempo ficou ocultada pela força do discurso sobre igualdade.
"A diferença é o nó central do multiculturalismo."(Vera M. Candau) Poderíamos dizer que o multiculturalismo e a reivindicação pela diferença trazem o apelo do reconhecimento e da garantia de direitos de diversas identidades, tais como o negro, a mulher, o homossexual, o indígena, o jovem.
Neste sentido, é importante frisar que o processo de marginalização, provocado por estas características específicas de um conjunto de indivíduos, tem sido muitas vezes, "a força-motriz para esse grupo se reconhecer enquanto grupo que partilha uma identidade e também uma situação social desfavorável."(Vera M. Candau) Daí não ser difícil perceber o porquê das "reivindicações multiculturais" estarem marcadas pela indignação e muitas vezes pela violência.
O multiculturalismo é algo perturbador, que tira a segurança e a sustentação de muitos aspectos da vida social. "A teoria multicultural traz à tona as contradições da sociedade ocidental que se professa universalista e igualitária, mas que diante dos questionamentos multiculturais descobre-se monocultural e profundamente marcada pela desigualdade."(Vera M. Candau)
Os multiculturalistas defendem que como o universalismo, a igualdade é um equívoco, pois a igualdade pretendida pelos monoculturalistas não engloba o conjunto de todos os cidadãos, porque exclui inúmeros indivíduos. Por mais contraditório que pareça, o multiculturalismo defende que não há nada mais universal que as diferenças humanas, o que na verdade vem a nos caracterizar: sermos todos diferentes.
A diversidade cultural é essencial para a evolução de potencial criativo de toda a humanidade, isso contribui para gerar novos modos de pensamentos e de diferentes formas de expressão. Ao receber influência de outras culturas, cada grupo social faz a sua seleção, distingue o que usar, o que podem adicionar aos seus costumes e o que descartam de sua tradição.
Quanto ao tema da educação para o respeito à diferença e para uma superação da intolerância, fica claro que a escola tem um grande desafio: articular igualdades e diferenças, a base cultural comum e expressões da pluralidade social e cultural. Nossos educadores e educadoras não podem ignorar esta questão.
O multiculturalismo na Pedagogia induz para a transformação de professores e educadores progressistas, é uma crítica que apresenta ações transformadoras que pode e deve desempenhar um papel significante na construção de políticas educacionais. A introdução do multiculturalismo geraria um campo de pesquisa, de reflexão e atuação para a forma de educar. Isso tudo com o objetivo de evitar que o processo de globalização conduza a uma homogeneização, cujo resultado é a submissão e mesmo extinção de várias expressões culturais. Para isso os educadores devem, necessariamente fazer uma análise das formas de explicar, de conhecer, de entender, de lidar e de conviver nas inúmeras e distintas culturas. O multiculturalismo na Pedagogia é fundamental para encorajar estudantes e educadores a serem capazes de articular interesses comuns e gerais que acabem com uma visão egoísta de superioridade cultural.
O tema da diferença trouxe para o campo da educação um conjunto de novas e instigantes questões que não podem mais ser desconsideradas. Esta discussão que surge a partir da defesa do direito à diferença e do direito à igualdade traz para a escola um constante desafio, pois só aprenderemos a descobrir e valorizar a diversidade convivendo com pessoas diferentes, diversas, plurais. "É graças às diferenças culturais que o nosso mundo se torna mais interessante, mais curioso. Mas, infelizmente, ainda há questões que são verdadeiros estigmas, que funcionam em nossa sociedade como marcas vergonhosas que expõem ao desprezo, à opressão e até à exclusão social."(Vera M.Candau) Muitos de nós, ainda não aprendemos a respeitar o que nos torna diferente dos outros. Devemos respeitar aquele ou aquela que fala diferente, que tem outras crenças, que pertence a outra cultura, a outra geração e a outra classe social. No entanto, acreditamos que todas as pessoas, sendo assim como são - distintas - são especiais e interessantes na sua maneira de ser. Devemos valorizá-las e temos que aprender a conviver com as diferenças. E é essa mensagem que a escola tem a trazer a seus educandos a respeito deste fenômeno de nosso mundo globalizado.

Educação Intercultural ou Educação Multicultural?

«Se reflectirmos ponderadamente, será fácil apercebermo-nos que num país tão pequeno como o nosso, os habitantes das diversas regiões possuem costumes diferentes, pronunciam algumas palavras de forma diferente, acreditam em coisas diferentes... Se convivemos todos em harmonia há tantos anos, qual é a justificação para não aceitarmos outras pessoas, quando a base desse argumento é a diferença, que afinal tanto nos une? »
Nogueira (2001)

Autores cujos contributos para a questão nos parecem relevantes...

  •  PERES, Américo N. (1999). Educação intercultural. Utopia ou realidade?. Porto: Profedições.
  •  SILVA, Maria do Carmo Vieira da (1995). “Escola e Educação Multicultural”. In Educação Ensino, nº 10, Maio-Junho.
  • STOER, S. R. e CORTESÃO, L. (1999). Levantando a pedra: Da Pedagogia Inter/Multicultural às Políticas Educativas numa Época de Transnacionalização. Porto: Edições Afrontamento.
  • SOUTA , Luís (1997). Multiculturalidade & Educação, Porto, Profedições.